sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

“Poderes ocultos”

Estamos muito interessados em saber que “poderes ocultos” levaram a que o estudo ambiental do Freeport fosse o mais rápido de sempre? Que “poderes ocultos” explicam isto:

“considero essencial comparar a declaração de impacte ambiental de Dezembro de 2001, que chumbou o projecto, com a declaração de impacte ambiental de Março de 2002, que o aprovou (não estão disponíveis no site da Agência Portuguesa do Ambiente). Pelo que noto nos resumos não técnicos, a única diferença substancial entre o projecto reprovado e o aprovado é a retirada de um hotel e health club, «coisas» sem importância em termos de carga, porquanto as expectativas iniciais era que o outlet tivesse 50 milhões de visitantes por ano (o que tornaria um hotel numa gota de água em termos de impacte).

“Por isso, saber que justificações (esfarrapadas ou não) se apresentam para passar de um chumbo para uma aprovação pode melhor elucidar que a questão essencial para a mudança de opinião do Ministério do Ambiente foi tão só política (envolvendo tudo o que de bom e mau tem isto) e nada ambiental.” Retirado de:

http://estragodanacao.blogspot.com/2009/01/vejam-as-declaraes-de-impacte-ambiental.html

3 comentários:

Carlos Santos disse...

Caro amigo,

Eu percebo o fascínio / terror que o caso inspira. Mas perguntava-lhe se neste contexto (o descrito em http://ovalordasideias.blogspot.com/2009/02/davos-e-obama-eua-china-india-e-as.html) não temos coisas mais graves a ponderar?

Abraço,
CS

Manuel Brás disse...

Com a justiça de rastos,
sendo um espelho da sociedade,
estes casos nefastos
trucidam a lusa moralidade.

Os genuínos poderes ocultos,
pelos quixotescos referidos,
não querem céleres indultos
sem os factos inquiridos.

Anónimo disse...

Poderes ocultos? Deve ser uma coligação conspirativa entre o Zandinga, a Maya (não a abelha)e o Professor Bambo.