sábado, 30 de abril de 2011

Responsabilizações

O governador do Banco de Portugal veio defender que “É crucial que os decisores de política e os gestores públicos prestem contas e sejam responsabilizados pela utilização que fazem dos recursos postos à sua disposição pelos contribuintes”.

A sugestão é muito bem vinda e a sua concretização poderá ser um primeiro passo. No entanto, entendo que as responsabilizações deveriam ser alargados em relação aos temas e em relação aos responsáveis.

As contas públicas têm merecido uma atenção excessiva, que tem ofuscado outros temas, como a divergência com a UE e o desequilíbrio externo. Um governo que não reconhece a necessidade nem toma medidas para reverter a divergência com a UE, não deve também ser responsabilizado por isso?

O anterior governador do Banco de Portugal andou uma década a dizer que um desequilíbrio externo numa união monetária não tinha importância nenhuma, assim desincentivando os governos de actuarem no sentido de suster o crescimento explosivo da nossa dívida externa. Não deveria agora ser responsabilizado pelas gravíssimas dificuldades de financiamento da nossa banca e economia?

Os dirigentes do Banco de Portugal não deveriam também ser responsabilizados pela forma excepcionalmente laxista como trataram o caso do BPN, quando as primeiras denúncias datam de 2001 (artigo na Exame) e 2003 (reservas dos auditores da Deloitte)?