quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Convite para o lançamento do meu livro

O meu livro será lançado 3ª feira, 11 de Setembro (bem sei...) na Livraria Almedina do Saldanha, pelas 19h. A apresentação será feita pelo João Ferreira do Amaral e todos são bem-vindos. (Clique na imagem para a ver melhor)

Medidas adicionais


quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Economia a fraquejar


O meu artigo de hoje no jornal “i”, onde não escondo o meu pessimismo sobre as perspectivas económicas. 

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Ascensão e queda do euro (1)


O link que o site resistir.info colocou a um texto meu aumentou em muito as visitas a este blog e acabei por receber a oferta de um exemplar do livro “Ascensão e queda do euro”, coordenado por Jorge Figueiredo (2012, Chiado Editora), com a promessa de eu fazer uma resenha do mesmo, que vou agora iniciar.

Antes de mais tenho que declarar que estou nos antípodas científicos e ideológicos dos autores, pelo que será mais do que natural a presença de inúmeras discordâncias. O livro inicia-se com a republicação de seis textos de Rudo Ruijter, de 2007 a 2011, que passo a rever. Como estes textos eram artigos autónomos, há várias repetições dos mesmos temas.

Fico com algumas dúvidas na tradução, devido aos chamados “falsos amigos”. Quem não está por dentro dos temas terá tendência para traduzir “fiscal measures” por “medidas fiscais” (p. 85), quando a tradução correcta seria “medidas orçamentais”. Há casos em que o erro é evidente, mas nesta situação concreta fiquei na dúvida.

As suas teses sobre a criação de moeda são um pouco insólitas, até porque pretendem revelar (mal) um suposto segredo, que é ensinado há décadas nas faculdades de economia, logo no primeiro ano.

A secção “Os bancos centrais precisam de inflação” (p. 28-34) é particularmente estranha porque há cada vez mais bancos centrais a adoptar metas explícitas de inflação, muito baixas. O BCE, em particular, tem uma meta de inflação excessivamente baixa (inferior a 2%), que é um forte obstáculo à correcção dos desequilíbrios dos países periféricos.

Já os artigos sobre o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) são mais interessantes e denunciam que este pode exigir dinheiro dos países membros de modo ilimitado, sem o direito de veto dos parlamentos nacionais (p. 97). Este MEE provocou uma forte celeuma na Alemanha e indigna este autor holandês. Não por acaso, em Portugal não se ouviu o mais leve protesto. A explicação parece-me simples: a Alemanha e a Holanda correm graves riscos de ficarem com grandes facturas que não controlam, enquanto Portugal poderá beneficiar de quantias crescentes de ajuda.

O último artigo de Ruijter recomenda a saída do euro e traça um cenário idílico da transição, que não consigo acompanhar. Insiste na tese da criação de um Banco de Estado, diferente dos actuais bancos centrais, cujas vantagens tenho dificuldade em perceber. Suspeito, aliás, que esta crítica ao sistema actual seja mais bem recebida nestas paragens na parte em que coloca em causa as instituições vigentes, do que na parte em sugere uma alternativa concreta.

Há aqui uma gralha irritante (p. 111), que se repete na contracapa, de dizer que a zona do euro é composta por 23 países, quando são só 17. 

E nós somos parvos



E nós somos parvos.

domingo, 12 de agosto de 2012

Estão a brincar com quem?



Desconhece-se o destino? É assim que se investiga em Portugal? O ministério da Defesa não tem responsáveis pelos arquivos? O que é que a PGR está à espera para abrir imediatamente um inquérito a este desaparecimento de documentos que é para lá de suspeito?

Depois não se esqueçam de vir com a conversa que há um complot para dizer mal da justiça, que há muita má vontade, etc. Uma justiça que tem o descaramento de dar notícias destas só pode ter a pior avaliação pública possível.

Saindo agora deste caso particular, a luta contra a corrupção tem que começar pela corrupção na justiça. Enquanto não virmos vários juízes e vários procuradores na cadeia não é possível confiar na justiça nem termos a fantasia de que se pode combater a corrupção em Portugal. 

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Capa do livro

Eis a capa do meu livro, que deverá estar nas livrarias a partir de 18 de Agosto.



O memorando Merkel


The Economist desta semana tem um memorando fictício que teria sido entregue à chanceler alemã, recomendado uma redução da zona do euro para um grupo mais restrito de países, sem a Grécia, Irlanda, Portugal, Espanha e Chipre.

Apesar de admitir que a zona do euro ficaria mais robusta sem estes Estados, o relatório também reconhece que o que sobrar também corre o risco de desintegração. Posso dizer que está muito em linha com o que penso sobre o futuro do euro.

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Despertar

O meu livro "O fim do euro em Portugal?" deverá sair nos próximos dias, pela Actual Editora, do grupo Almedina. Por isso vou ressuscitar este blog e começo por indicar um link para todos os textos que escrevi no blog Cachimbo de Magritte sobre este tema.