quarta-feira, 10 de outubro de 2012

O último orçamento



Adenda: Ainda no IMI há outras duas questões. A primeira é a da avaliação dos imóveis, em que convinha que se tomasse consciência que estamos em presença de um claro movimento de diminuição do valor, nalguns casos superior a 20% e que as Finanças não cobrassem IMI com base em valores acima do mercado. Também era conveniente que a avaliação usasse como parâmetro o facto de o imóvel estar arrendado e qual o valor da renda. Dá vontade de usar um insulto à la António Borges, porque não se percebe qual a lógica de atribuir a mesma avaliação a uma habitação, quer tenha uma renda de 50€, quer de 500€.

A segunda questão é a pretendida eliminação da cláusula de salvaguarda. Algum tipo de alteração desta cláusula é admissível, mas a sua eliminação parece incompreensível, sob todos os pontos de vista, sobretudo políticos. 

1 comentário:

Manuel Rodrigues disse...

A propósito do "último orçamento"
Quando foi a primeira decisão sobre os impostos e a redução de salários (13º e 14º mês) da função pública e das pensões de reforma do público e do privado foram raros os senhores comentadores, economistas, fiscalistas e “opinion makers” do mercado que se mostraram contra. Agora, que a austeridade está a cair nos bolsos de todos, através do aumento de impostos, todos apelam ao corte da despesa mas não nos locais exatos onde ela existe e tem mais peso, mas na outra, na função pública e nos reformados e pensionistas.



Todos reclamam contra austeridade que nos vai cair a todos em cima através dos impostos e já reclamam a sua amenização de uma forma que vem, mais uma vez, provocar a divisão dos portugueses. Parece ser esta aposição de alguns senhores através dos seus pontos de vista umbilicais como, por exemplo, uma que foi publicada no Jornal i intitulada “O último orçamento” em que é afirmado que

“… o governo poderia ter um golpe de génio se recuasse em algum dos aumentos de impostos anunciados em troca de cortes concretos na despesa. Os grupos específicos atingidos pelos cortes estariam a enfrentar a totalidade dos contribuintes e teriam muito menos margem para protestar.”



O autor não esclarece a que “grupos específicos” se refere. Mas sempre podemos adivinhar quem serão as vítimas de tão genial e simplista proposta, os mesmos de sempre. O que é isto senão um apelo aberto ao divisionismo para que o bolso de alguns seja o menos possível atingido. Isto é, como o zé popularucho diria, retirem mais a outros, mas poupem-me algum a mim.



Todos estamos no mesmo barco, não foram apenas alguns que contribuíram para o descalabro do país foram todos, público e privado, que usufruíram do despesismo desenfreado de anteriores governos. Alguns dos que hoje mais falam e outros que agora estão calados, foram os que mais participaram e ganharam com o “regabofe”, no dizer de Passo Coelho, mas que agora não querem ser atingidos. Temos que ter paciência. Todos gastámos, agora temos que pagar. E não são manobras de distração como CDS para aqui, PSD para ali e PS para acolá, que vai limpar a consciência de todos eles. Todos, sem exceção, tiveram responsabilidades e nós, os que neles votámos, também.

Publicado em:
http://zoomsocial.blogs.sapo.pt